Minhas revistas favoritas

A idéia era publicar sempre uma crítica das revistas do mês, um pouco como faz Santiago P. Fusco em NoMínimo . A diferença é que eu me dedicaria a publicações de segmentos diversos – e como sou um primo pobre no jornalismo, falaria basicamente de texto, não de lindas mulheres. Contudo, minha fonte de revistas grátis secou. Pensando bem, se eu tivesse de escrever, todo mês, sobre as mesmas revistas, elas perderiam um pouco desse encanto que me proporcionam. Porque ler uma boa revista é muito mais do que passar os olhos em algumas matérias. É mais do que saber algo que não sabia antes. Ler uma boa revista é ler palavras, mas também imagens, o desenho de uma página, ilustrações, fotos… É também uma experiência tátil e olfativa. Apreciar os diferentes formatos, os diferentes tipos de papel. O que se segue abaixo não é um ranking. A ordem é totalmente aleatória e os critérios são os mais subjetivos possíveis. São apenas as que mais leio e que mais gosto.

Trip
As reportagens continuam excelentes; os ensaios, lindos. Mas, pelo menos nas edições de março e abril (2007), a revista está impondo ao leitor uma publicidade inconveniente. A edição de março traz um anúncio, de um refrigerante, que invade a capa! Uma extensão da quarta capa, na forma de um homem, “beija” a bela Bel Coelho. Para abrir a revista, ou o leitor corta o tal “apêndice”, ou cola e descola toda vez que for ler a revista ou dobra o anúncio lá atrás. Horrível. Mas a Trip ainda é uma revista bacana. As matérias ótimas predominam. E as edições temáticas causam boas surpresas, como as sobre alimentação, que conseguiram falar de comida até nas críticas de discos. Essas duas (abril de 2006 e março de 2007) certamente são as melhores dessa safra das “fórmulas para a felicidade”.

National Geographic Brasil
Uma revista que merece todas as recomendações é a National. É perfeita, e não digo isso para não ter que dizer mais nada. Todas as edições que possuo são interessantíssimas do início ao fim. As fotos são maravilhosas, os textos, extremamente bem cuidados, e há um equilíbrio entre os assuntos tratados em cada edição. Você lê (por textos e fotos) sobre geografia, história, fauna, flora, saúde, astronomia… E naquele formato ótimo de manusear – menor que a maioria das revistas –, num papel de alta qualidade. É uma experiência soberba. Como a revista é apenas um braço da gigante National Geographic Society, você, um reles leitor, tem o privilégio de estar lendo uma reportagem que relata os resultados de uma pesquisa sobre os tubarões das Bahamas, por exemplo, e se deparar com um “aviso”: “Apoio NGS. Este projeto é parcialmente financiado por sua assinatura”. Você se sente um verdadeiro mecenas da preservação da biodiversidade.

Superinteressante
Esta aí uma revista que lamento não ter lido mais na adolescência e na faculdade. Nas reportagens, os assuntos são tratados de uma forma que foge do que todo mundo já disse. Às vezes o assunto foi falado à exaustão, como a redução ou não da maioridade penal, por exemplo. A Super mergulha naquilo e faz aquelas perguntas que não foram feitas, ao invés de ficar juntando opiniões favoráveis e contrárias, apenas. O design merece uma menção à parte. As páginas são para ler e para admirar. Na ilustração da matéria sobre as grandes corporações, por exemplo (edição de abril de 2007), o ilustrador desenhou um quarteirão, com prédios e ruas, com os símbolos das empresas. O que às vezes me incomoda é a grande quantidade de páginas dedicadas às sessões. Sinto um excesso de Superrespostas, por exemplo. Mas leio todas.

Aventuras na História
Outra revista excelente para entender o mundo. Se você lê a Super e a História todo mês, merece meu respeito. Mas tenho a sensação de que a História, também, poderia ter menos seções e mais reportagens. Sim, é uma forma de equilibrar textos curtos e longos. O que importa é que Aventuras na História é uma revista honesta. Inclusive, parece que acadêmicos gostam dela. E como sou jovem, acredito que os jovens também. Para quem não sabe, ela é “filha” da Super e já está dando “netos”, como a bimestral Grandes Guerras – que ainda carece de mais carinho no design, mas tem a honestidade das suas familiares.

VIP
A revista masculina que eu recomendo é a VIP. Para ler, que fique claro. Pelos ensaios “sensuais” não valeria sua grana (compre Playboy e Sexy), mas as matérias são numerosas e de qualidade. Muito divertidas, com destaque para as do Marcelo Orozco. As seções são menos rígidas. Tem uma que, a princípio, seria: “Grandes Brasileiros Vivos”. Em duas edições, pelo menos, eles “riscam” o “brasileiros vivos” e acrescentam “americanos mortos” e “americanos birutas” para encaixar, respectivamente, o escritor Sidney Sheldon e os cineastas Jerry Zucker, Jim Abrahams e David Zucker, de Corra que a polícia vem aí. É uma revista que consegue falar com o homem que quer “curtir a vida”, por pior que seja esse bordão.

Piauí
Eu disse outras vezes que merecia um emprego na Piauí de tanto que escrevo sobre ela. O máximo que me deram foi uma assinatura, e não foi por falar bem. Bola pra frente. Um dos fortes da revista é a quase ausência de seções. Em cada edição você pode encontrar textos que podem se encaixar na categoria ensaio, reportagem, humor… O paradoxo é que a melhor parte é uma seção, a “Esquina”. É ali que mora o mais próximo que encontramos na imprensa brasileira do Jornalismo Literário. Textos não tão longos e bem escritos, que ignoram o que tanto me atrapalha como jornalista: o maldito “gancho”. Para quem não sabe, “gancho” é como os jornalistas chefes chamam a razão para você escrever uma matéria. Por exemplo: por que falar do Vaticano nessa edição? Porque o papa vem aí. Entendeu? Isso me irrita. Nem sempre acho que um assunto merecia tanto espaço e às vezes gostaria que um texto tivesse sido mais bem escrito. Mas minha relação com Piauí é quase passional. Desde que João Moreira Salles mencionou numa entrevista (acho que em 2004) que pensava em criar uma revista de grandes reportagens, esperei ansiosamente.

Época
Na verdade, eu raramente leio alguma revista semanal, mas a que me chama mais atenção ultimamente é a Época. Ela parece seguir um caminho alternativo ao de suas concorrentes. Pôs o iPhone na capa quando as outras martelavam algum assunto já batido. Época parece mais ligada com o tempo do que as rivais, que falaram sobre o YouTube, por exemplo, quando todo mundo já o usava a torto e a direito.

Anúncios

4 Responses to Minhas revistas favoritas

  1. Diego disse:

    Temos preferências parecidas, com exceção, talvez, da VIP. A fórmula “piada engraçadinha + pílulas de machismo”, pra se aproximar do leitor classe AB-casado-com-filhos-mas-louco-pra-dar-aquela-pulada-de-cerca, nunca me desceu, não.

    Já colocaria aí a Rolling Stone Brasil. Anda acertando principalmente nas grandes reportagens feitas no interior do país (e, de quebra, ainda traz alguns textos maravilhosos que foram publicados na edição americana – o sobre o Pink Floyd, na última edição, é pra ser emoldurado de tão bonito).

  2. Pedrão disse:

    Concordo com o Diego e ia colocar exatamente a mesma sugestão!
    A Rolling Stone Brasil não tem nem 6 meses (se não me falhe a memória) e pra mim já é uma das melhores revistas que eu lí. Além do texto do Pink Floyd, citado pelo Diego, sugiro também a matéria sobre o Bob Dylan na primeira edição e Iggy Pop na segunda.

    Ae, Bay!
    Do caraio esse mundo bloguero…!

    Abrassssssss

  3. Bruno Ribeiro disse:

    Faltou a Carta Capital nessa lista. Eu trocaria a Época pela revista do Sr. Mino Carta, o jornalista mais íntegro que temos em atividade neste país! Sem dúvida é a melhor revista de jornalismo semanal que ainda se faz no Brasil.

  4. Gabi disse:

    Baaaaa…. adoreiiii!!! Fazia tempo que não entrava, mas impressionante né…. já disse q vc é o orgulho?? hahaha beijoss e saudades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: